sexta-feira, 13 de novembro de 2015


Conheça quais os tipos de diabetes e como tratar cada um

Em 14 de novembro é celebrado o Dia Mundial do Diabetes, data que procura aumentar a conscientização sobre os diferentes tipos de diabetes. Essa doença afeta milhões de pessoas e, em muitos casos, pode ser prevenida através de uma alimentação saudável e também outros cuidados com a saúde. Diabetes afeta 9 milhões de brasileiros - O diabetes é uma doença crônica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina suficiente ou o corpo não usa eficazmente a insulina que produz. A insulina é um hormônio que regula o açúcar no sangue. A hiperglicemia, ou açúcar no sangue aumentado, é um efeito comum do diabetes não controlada e, ao longo do tempo, conduz a sérios danos para muitos sistemas do organismo, principalmente nervos e vasos sanguíneos. Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde do Ministério da Saúde publicada em 2015, o diabetes atinge 9 milhões de brasileiros – cerca de 6,2% da população adulta. O Relatório Mundial sobre doenças não-transmissíveis da Organização Mundial da Saúde em 2014 indica que a nível mundial cerca de 9% dos adultos maiores de 18 a possuem. É por isso que desde 2006 a Organização das Nações Unidas designou o 14 de novembro como o Dia Mundial do Diabetes. Essa data visa aumentar conscientização, prevenção e alertar sobre complicações e cuidados que as pessoas com a condição necessitam. 

Principais diferenças entre os tipos de diabetes - Existem três tipos principais de diabetes e também uma fase prévia da doença chamada de pré-diabetes. Essa última é conhecida como intolerância à glicose – condição em que o nível de açúcar no sangue é superior ao normal, mas ainda baixo para ser considerado diabetes. As pessoas que têm pré-diabetes têm riscos de desenvolver a do tipo 2 mais tarde caso não cuidem da condição atual. Isso envolve ajustar hábitos de alimentação e prática de exercícios, sempre cuidando do peso. Dos principais tipos de diabetes, a do tipo 1 é uma doença autoimune em que o pâncreas produz pouca ou nenhuma insulina. Ele ocorre quando o próprio sistema imunológico mata células beta do pâncreas, fazendo o açúcar acumular no sangue ao invés de ser usado como energia. Geralmente o tipo 1 desenvolve-se na infância ou adolescência, mas é possível a ocorrência na fase adulta. Com a destruição dessas células, as pessoas terão a doença para toda a vida e necessitam de tratamento na forma de injeções ou bombas de insulina. É recomendável exercício físico e atenção à dieta para evitar flutuações de açúcar no sangue. O diabetes tipo 2 é normalmente encontrada em pessoas acima do peso na medida que envelhecem. Ela se diferencia do tipo 1 porque aqui o pâncreas não produz insulina suficiente ou o corpo não a usa corretamente. Muitas vezes ela é considerada uma doença de estilo de vida, já que os hábitos diários são um dos maiores fatores de risco. Gerenciar o diabetes tipo 2 depende da gravidade dela. Em alguns casos é possível fazê-lo com atividade física e regime alimentar, mas em outros medicamentos e insulina podem ser necessários. Há ainda um terceiro tipo de diabetes, que é o gestacional. Trata-se de uma condição que pode surgir no segundo trimestre da gravidez. O diabetes gestacional irá desaparecer depois que o bebê nasce, mas isso não significa que deve ser desprezado. Quando uma mulher tem diabetes gestacional está em maior risco de desenvolver diabetes tipo 2 mais tarde na vida. E quanto mais velha a mulher é quando está grávida, maior o risco de desenvolver o diabetes gestacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário