or Gerson Camarotti

Em jantar nesta quinta-feira (29) no Palácio da Alvorada, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva externou para a presidente Dilma Rousseff tristeza com o fato de o filho Luís Cláudio Lula da Silva ter virado alvo preferencial da Operação Zelotes, da Polícia Federal.
Ele manifestou sua indignação com o tratamento recebido pelo filho, intimado às 23h de terça-feira, depois de deixar a festa de aniversário do pai. No dia anterior, a PF fez uma operação de busca e apreensão no escritório de Luís Cláudio.
No jantar, marcado pela descontração e pela informalidade, esse foi o único momento em que Lula fez um desabafo.
Imediatamente, o ex-presidente ganhou o apoio dos poucos petistas que participavam do encontro reservado no Alvorada.
“Luís Cláudio não é um meliante para ser intimado às 11 horas da noite”, observou um dos presentes. “Ele é um jovem tentando acertar”, concordou Lula.
Na conversa, todos ressaltaram que Luís Cláudio virou prioridade enquanto outras empresas investigadas pela Zelotes deram prejuízo bilionário aos cofres públicos.
por Gerson Camarotti
E que o filho de Lula fez apenas uma consultoria para uma empresa que foi investigada na operação da PF. “A ação foi desproporcional”, observou outro petista.
No Alvorada, foi lembrado que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, cobrou uma explicação da PF pelo fato de a intimação ter sido feita tarde da noite.
Lula foi informado de que o Ministério Público Federal foi alimentado pela Receita Federal para fazer a investigação, e não pela Polícia Federal.
Há o reconhecimento no governo de que existe um sentimento generalizado contra o PT, não só na sociedade, mas também entre agentes públicos.
“Esse é um movimento espontâneo de servidores. Eles dão vazão às frustrações e usam a posição que têm contra o PT”, reconheceu um integrante da cúpula petista. “Como estamos no poder, não podemos nem dizer que há uma operação de governo.”