O ministro da Saúde, Marcelo Castro, fala sobre investigação de um caso suspeito de ebola em Belo Horizonte e casos de microcefalia identificados em alguns estados da região Nordeste - 11/11/2015
O ministro da Saúde, Marcelo Castro (PMDB)(José Cruz/Agência Brasil)
O governo avalia que o ministro da Saúde, Marcelo Castro (PMDB), está desgastado e vem perdendo as condições políticas de permanecer no cargo em razão de suas declarações e da ineficiência ao tratar do avanço da dengue e do zika. Nesta segunda-feira, em uma visita à Sala de Controle das Ações de Combate ao Aedes aegypt, uma iniciativa do governo do Distrito Federal, em Brasília, o ministro voltou a dizer que o país está perdendo “feio” a guerra contra o mosquito.
A expressão, a mesma adotada na última sexta-feira, durante evento da Fundação Oswaldo Cruz, em Teresina, foi considerada infeliz pelo Planalto, sobretudo num momento em que integrantes do governo tentam traçar estratégia para mobilizar a população no combate ao mosquito. “Nós estamos há três décadas com o mosquito aqui no Brasil e estamos perdendo a batalha feio para o mosquito”, disse.