Quatro promotores do Ministério Público de São Paulo anunciaram ontem que vão recorrer da decisão do conselho da categoria que suspendeu todos os atos de Cássio Roberto Conserino, da 103ª Promotoria Criminal da capital paulista, na investigação em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é suspeito de lavagem de dinheiro por ocultar a posse de um tríplex no Guarujá.
Em nota lida por Conserino ontem, ele, Reinaldo Guimarães, Fernando Henrique Araújo e José Carlos Blat dizem que o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) foi induzido a errar pelo pedido do ex-líder do PT na Câmara Paulo Teixeira (SP). O Instituto Lula negou ontem, mais uma vez, que o petista tenha sido dono do imóvel. Do lado de fora do Fórum da Barra Funda, na capital paulistana, onde os depoimentos aconteceriam, militantes pró e contra Lula se agrediram e a polícia teve que intervir.