quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016


Nova lâmpada dura mais de cem anos: inventor ameaçado de morte

Espanhol é ameaçado de morte por criar lâmpada que não queima, é muito mais econômica e não polui o meio ambiente.
O conceito de obsolescência programada surgiu entre 1920 e 1930 com a intenção de criar um novo modelo de mercado, que visava a fabricação de produtos com curta durabilidade de maneira premeditada obrigando os consumidores a adquirir novos produtos de forma acelerada e sem uma necessidade real.
Benito Muros: “Perseguem-me por criar uma lâmpada que não acaba nunca“
A bateria de um telemóvel morre ao fim de dois anos, um computador, quatro, o frigorífico começa a ter problemas ao fim de oito anos e de repente, em um belo dia, a televisão diz adeus. “Não há nada para se fazer além de comprar outra”.
É possível de se fazer produtos que durem mais do que isso? Quem sabe a vida toda? Benito Muros da S.O.P. (Sem Obsolescência Programada), diz que é possível. Por isso está ameaçado de morte.
O conceito de obsolescência programada surgiu entre 1920 e 1930 com a intenção de criar um novo modelo de mercado, que visava a fabricação de produtos com curta durabilidade de maneira premeditada obrigando os consumidores a adquirir novos produtos de forma acelerada e sem uma necessidade real.
As novas lâmpadas e a luta de Benito Muros respondem a um novo conceito empresarial, baseado em desenvolver produtos que não caduquem, como os frigorificos ou máquinas de lavar roupa que duravam a vida toda.
Uma filosofia empresarial mais conforme com os nossos tempos (de respeito pela natureza e o uso dos recursos naturais com maior responsabilidade), graças à comercialização de produtos que não estejam programados para ter uma vida curta, senão que respeitem o meio ambiente e que não produzam resíduos que, por vezes, acabam despejados em contentores de lixo no terceiro mundo.
Conheça a lâmpada neste vídeo:
Trata-se de um movimento que denuncia a Obsolescência Programada. Lutamos para que as coisas durem o que tenham que durar, porém os fabricantes de produtos electrónicos programam os equipamentos para que durem um tempo determinado e obrigam os utilizadores a comprar outros novos. A lei permite!
O consumo de nossa (perdulária e irresponsável) sociedade está baseado em produtos com data de validade. Mudar isso suporia mudar o nosso modelo de produção e optar por um sistema mais sustentável. Os fabricantes devem ser conscientes de que as crises de endividamento como a que vivemos são inevitáveis e que podemos deter o crime ecológico.



Nenhum comentário:

Postar um comentário