domingo, 9 de abril de 2017

Sinais de poluição na Ilha do Caju preocupam


O Paraíso Ecológico está ameaçado.

A aves Pavãozinho-do-Pará, muito raro no Nordeste, corre o risco de desaparecer da visão de quem visita a Ilha do Caju – Foto: Roteiros Incríveis/UOL
Considerada como paraíso ecológico do Delta do Parnaíba, a Ilha do Caju, no município de Araioses/MA vive nos dias de hoje em condições de semiabandonado, principalmente na sua costa praiana, aonde os sinais da poluição são de grande monta.
A Ilha do Caju, que já foi denominada de Pará-mirim e Punaré teve como primeiros habitantes os Tremembés, índios valentes e guerreiros, que foram exterminados 1758 por uma expedição armada comandada por Sebastião José de Carvalho e Melo – o Marquês de Pombal.

Embalagens de produtos de origem oriental são encontradas com facilidade ao longo da costa praiana da Ilha do Caju
De lá até os dias de hoje a ilha já passou por vários donos sendo que em 21 de julho de 1919 ela foi comprada por um inglês que teve o cuidado de manter sua vocação ecológica proibindo a pesca predatória, a caça aos animais nativos e o desmatamento.
Porém, quem conheceu a ilha no passado e a visita agora não deixa de manifestar o sentimento de tristeza pelo seu estado de semiabandonado.

Com certeza a tartaruga dessa carcaça não morreu de velha
Mangue Sêco, uma das principais praias da ilha tem lixo inorgânico altamente poluidor, em toda a sua extensão. Garrafas e sacos plásticos, tanques de óleo queimado que foram jogados ao mar por embarcações e até embalagem de remédios e outros produtos de origem oriental são com uma mancha irreparável num cenário de extrema beleza.
Segundo pescadores que acampam na Ilha do Passeio, ilhota grudada a Ilha do Caju, recentemente houve um incêndio de grandes proporções causando enormes prejuízos à fauna e a flora, que pode ter sido fruto de um acidente ou de natureza criminosa.

Esse tambor, que o mar jogou na Praia do Mangue Sêco está cheio de olho queimado. Se houver vazamento o estrago na natureza não será pequeno
Casas com moradores em pontos estratégicos que cuidavam de fazer a vigilância da ilha não existe mais o que facilita a ação de agentes predadores e poluidores do meio ambiente.
A Ilha do Caju, mesmo sendo particular não deve ficar sem a assistência do poder público, principalmente daqueles que tem a obrigação de e proteger e fiscalizar um patrimônio de natureza nacional.
Em meio a tanta destruição da natureza é uma pena que esse paraíso ecológico possa está com seus dias contados, como principal joia do Delta do Parnaíba.

Ilustração: O Nordeste

A Ilha do Caju é Área de Proteção Ambiental Estadual (APA do Delta do Parnaíba) decreto nº 11.899 de junho de 1991 e Área de Proteção Ambiental Federal (APA do Delta do Parnaíba) – decreto sem nº de agosto de 1996.

Nenhum comentário:

Postar um comentário